Keep Talking and Nobody Explodes – 7 Anti-Padrões de Comunicação para serem trabalhados dentro dos Times

Por Rafael Targino | Agile

mar 21

Você está segurando uma bomba em suas mãos e só tem 5 minutos para desarmá-la. Você não faz parte de nenhum esquadrão antibomba, porém tem a seu dispor, um time de especialistas que possuem os manuais de desarmamento de todas as bombas do mundo. A única coisa que vocês precisam fazer é se comunicar bem, para que todos os módulos sejam desarmados e ninguém saia ferido!

Esta é a tônica do jogo Keep Talking and Nobody Explodes que eu utilizo frequentemente como ferramenta para puxar retrospectivas sobre a comunicação interna do time e discutir sobre as nuances de uma boa ou má comunicação entre eles.

Como Jogar

Neste jogo existem dois papéis, o "perito", que possui o conhecimento para desarmar cada um dos módulos da bomba (através de um manual) mas não esta vendo-a, e o "operador", que está junto a bomba e precisa descreva-la nos mínimos detalhes para que o perito possa dar instruções de qual fio cortar ou qual botão apertar. Como cada jogador não está vendo o que o outro vê (a bomba e o manual), eles precisam se comunicar muito bem para que tudo dê certo. E com uma dificuldade a mais... Eles só têm 5 minutos.

Para conhecer um pouco do jogo, assista este vídeo hilário do canal Nerd Cast.

Nas retrospectivas, eu normalmente rodo o jogo com uma pessoa operando a bomba e 2 ou 3 olhando o manual (peritos). Eu gosto de colocar o PO como operador da bomba, para verificar o quanto ele consegue conduzir a comunicação com o restante dos participantes. Mas também gosto de jogar algumas rodadas apenas com membros do time. Em uma retrospectiva, eu rodo seguidamente 4 a 5 rodadas do jogo, até que todos tenham participado mais de uma vez. A cada rodada é possível aumentar a dificuldade, já que os participantes vão conhecendo cada vez mais os desafios de cada um dos módulos que devem ser desarmados.

Os 7 Anti-Padrões de Comunicação

Após rodar este jogo em inúmeros times e em 4 eventos de palestras, eu mapeei alguns anti-padrões de comunicação que aparecem no jogo e que são muito comuns de ocorrer também no dia a dia entre o time e o PO. Durante o jogo, o mais difícil é anotar o que está acontecendo em termos de comunicação, para depois colocar em pauta para o time discutir e principalmente, fazer as associações com situações reais que o time vivenciou. Quanto mais o time está relaxado jogando, mas anti-padrões aparecem... Os principais anti-padrões foram:

1)    Dificuldade de se expressar - O operador fornece pouca informação sobre os detalhes da bomba. Repete a mesma frase por várias vezes. Tem muita dificuldade em descrever o problema.

2)    Querer falar tudo de uma vez – Este anti-padrão é o oposto do anterior. O operador descreve a bomba inteira nos mínimos detalhes no início da partida, falando sobre todos os módulos, pilhas, número de série, etc... Bombardeia o time com informação que não é digerida. E as vezes esta informação não serve para nada... Não foca no que é realmente importante para desarmar um módulo (capacidade de abstração).

3)    Insistir muito tempo na mesma solução – Os peritos ficam muito tempo em um mesmo ponto do manual, batendo na mesma tecla, apesar de não estarem evoluindo para a solução... Não tentam uma outra abordagem para explicar o que precisam. Apenas repetem a explicação dada anteriormente que não foi eficaz.

4)    Não dá a devida atenção as instruções - Na ânsia de solucionar rápido o problema, os peritos não leem as instruções corretamente... e não se atentam aos detalhes do manual, provocando instruções erradas ao operador. Exemplo: módulo de Labirinto direcionava para o posicionamento de marcas circulares, mas o time instruiu o operador para verificar o ponto branco e vermelho...

5)    Paralelizar a comunicação – Isto ocorre quando o time decide atacar 2 problemas ao mesmo tempo, ou seja, os peritos verificam e comunicam para o operador dois módulos a serem desarmados ao mesmo tempo. Porém o operador é um só e precisa trocar o contexto rapidamente dependendo de quem fala. Este procedimento deixa a comunicação muito mais complexa e depende muito da capacidade de orquestração do operador. Eu só vi funcionar algumas poucas vezes. Na maioria dos casos, acaba que o operador não consegue desarmar nem um módulo e nem o outro...

6)    Ansiedade - O operador da bomba não espera os peritos terminarem de passar as instruções e sai tentando soluções de qualquer jeito... Não tem paciência e normalmente a bomba explode...

7) Falta de colaboração entre os peritos – Os peritos, que estão compartilhando o manual da bomba para orientar o operador, adotam uma postura individualista e não se ajudam para entender as instruções. Uma pessoa assume um módulo e a outra assume o outro. Quem não está com a página do manual em questão fica apenas observando o que está acontecendo sem interferir muito... 

Apresentei estes 7 anti-padrões em 4 palestras mão na massa em Florianópolis, Porto Alegre e duas vezes no Rio de Janeiro. As palestras foram para públicos diversos como Analista de Negócio (TDC POA 2017), Agilistas (TDC Floripa 2017 e Meetup Agile Beer RJ 2017) e Desenvolvedores do Grupo de usuários do Google (GDG RJ 2017). Em todas essas comunidade a repercussão foi muito boa, com bastante dúvidas sobre como rodar a dinâmica. Várias pessoas levaram o jogo para suas empresas a partir dessas palestras e me deram um feedback positivo também. 


Por Onde Começar

O primeiro passo é comprar o jogo direto do site do fornecedor. O jogo custa apenas 15 dólares e eu utilizei a versão de instalação para windows.

O segundo passo é pegar o manual em português, já que nem sempre todos os membros do time dominam a língua inglesa. Disponibilizei o pdf do manual do jogo traduzido para português no meu blog OrganizaçãoAgil.com. Pegue o manual traduzido aqui.

O terceiro passo é você rodar algumas rodadas do jogo entre alguns amigos para experimentação, ficando apenas no papel do observador. É importante não se deixar levar pelo clima descontraído do jogo e esquecer de observar bem como as pessoas estão se comunicando.

E por último, não deixe de comentar aqui nos comentários como foi a experiência no seu time!

Se você gostou desta dinâmica, este assunto, entre diversos outros que permeiam a gestão ágil de projetos e a gestão de pessoas, serão discutidos na 6a turma do meu curso degestão ágil de projeto na PUC-Rio em maio de 2018.

Sobre o autor

Você também pode gostar...

Palestra PUC-Rio Gestão Ágil 2017-2

s2Member®